Biografia de Marighela, frei Betto

Em Batismo de sangue, frei Betto compartilha suas descobertas sobre as circunstâncias da morte de Carlos Marighella, líder da Ação Libertadora Nacional (ALN) assassinado em 1969. Ficou mais forte a tese de que aquele crime fora planejado de modo a não apenas eliminar o maior inimigo do regime militar, mas para jogar a esquerda contra os frades dominicanos, enfraquecendo a oposição à ditadura. 
Do dia para a noite, os religiosos passaram de colaboradores da guerrilha a traidores, graças a uma farsa muito bem tecida pelo Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Deops). 
Um dos eixos fascinantes de 'Batismo de sangue' é a história de como os frades da Ordem dos Dominicanos davam apoio logístico à ALN. 
Numa época em que marxismo era sinônimo de ateísmo, a população não poderia sequer sonhar com a hipótese de que os inimigos do regime encontravam apoio naqueles insuspeitos religiosos católicos. 

Como conciliar fé cristã com ação política revolucionária? 
Esta é uma das questões que frei Betto elucida neste livro. 
Colabora para a importância da obra a denúncia dos métodos de tortura utilizados pela ditadura.

Para ler a biografia, clique neste link:
http://www.dhnet.org.br/verdade/resistencia/betto_batismo_de_sangue.pdf